18/05/2018 • 00:00


“Tem gente que já nasce com a vida abençoada, se perde um ministério, sempre pinta uma embaixada. Os caras do meu time sempre jogam no sufoco, em ceia de Ano Novo comem carne de pescoço”.

(André Christovam, bluesman paulistano)


Imagine a cena. Você joga num time de futebol com os amigos e vão disputar uma partida contra uma equipe que nunca viram antes. Ao entrar em campo, se deparam com três monstros no time adversário: Neymar, Messi e Cristiano Ronaldo. Qual a chance do seu time vencer? Zero. 

Pois é assim que se sentem os adolescentes que vivem nas "quebradas" das cidades brasileiras. O jogo é sempre desigual. Vencer a realidade não é fácil, mas também não é completamente impossível.




Partindo dessa premissa, o Musicalize e a ONG, A Banca, criaram um projeto social fundamentado na música: a Escola Musicalize, no Jardim Ângela, Zona Sul de São Paulo. 20 meninos e meninas, com idade entre 14 e 20 anos, ganharam bolsas de estudo para aprender a cantar, tocar guitarra, baixo e bateria. Mais do que ensinar a tocar um instrumento, a Escola Musicalize e A Banca, estão ajudando a construir valores de cidadania, ao mesmo tempo em que estimulam as habilidades musicais da galera.




O projeto também é uma forma de estimular o desempenho escolar dos adolescentes, já que pra participar é preciso tirar notas boas no colégio. Agora olha só: pesquisas comprovam que, em contato com a música, a criança ou adolescente aprende a socializar e a ter senso de cidadania, entendendo que é preciso respeitar as diferenças. Além disso, a música aumenta a autoestima e amplia o repertório cultural da garotada.





Nós do Musicalize, estamos muito orgulhosos e motivados com o projeto, e não queremos parar por aí. A ideia é criar mais Escolas Musicalize nas comunidades e ajudar a galera a se preparar pra vencer em qualquer campo que escolher. Fotos: Camila Cara.