04/09/2018 • 00:00

Uma das bandas mais longevas do metal, o Judas Priest continua fiel, firme e forte às suas origens. Em março, lançaram o álbum “Firepower”, que marcou a volta de Tom Allom, produtor que trabalhou com o grupo entre 1979 e 1988. Junto com Allom, Andy Sneap também participou da produção do disco.

O frontman do Judas, Rob Halford, falou sobre a escolha dos dois: “Tom Allom tem esse toque de metal clássico, enquanto Andy é mais um produtor de ‘metal moderno’, mas seu modo de pensar é um pouco diferente do Tom. E eu acho que ter esse balanço entre o metal mais clássico e old school com a visão do Andy é uma experiência notável.”

O álbum “Firepower” está sendo considerado o melhor deles em anos. Mas será o disco o último suspiro da lendária banda de metal? Segundo o baixista Ian Hill, a resposta é "não". "Nós não planejamos nada assim. Não há razão para parar de fazer essas coisas. Glenn pode tocar por um bom tempo, mesmo durante um dia ruim. Ele não pode tocar um show inteiro por enquanto, mas isso pode mudar se houver algumas intervenções que possam ajudar. ”

A capa do disco é de autoria do artista chileno/italiano Claudio Bergamin.



O Judas Priest sofreu alguns reveses nesta década, com o guitarrista K.K. Downing deixando a banda em 2011 e seu companheiro, Glenn Tipton, recentemente tendo que se afastar da turnê após ser diagnosticado com a doença de Parkinson. Mas Priest tem se esforçado, primeiro recrutando Richie Faulkner para substituir Downing, e depois Andy Sneap para preencher o lugar do Tipton.

O Judas Priest será o headline do festival Solid Rock, que acontece em SP, Curitiba e Belo Horizonte, entre os dias 8 e 14 de novembro. Antes das apresentações por aqui, o Judas Priest toca no mesmo festival, em Buenos Aires, dia 4. 

Clipe oficial da música de trabalho do disco.